A série Kingdom Heart chega ao Steam em junho

Tenho tido esses pensamentos estranhos ultimamente… tipo, devo voltar e repetir o Corações do Reino série ou não? Felizmente, a Square Enix tomou esta decisão trivial com o anúncio de que lançará a série no Steam em 13 de junho. Para celebrar, e talvez desestabilizar, toda uma geração de adultos para quem o primeiro Corações do Reino trailer foi uma experiência transformadora (também conhecida como meu)um trailer foi lançado com uma nova gravação de “Simple and Clean” de Hikaru Utada.

Aqueles que compram Kingdom Hearts III + DLC Re Mind também receberá um keyblade especial, “Dead of Night”, que parece bem elegante no logotipo do Steam azul e cinza. Cada um dos três jogos é em si um conjunto de vários KH jogos abrangendo plataformas e gerações de console. Você pode encontrar uma análise completa de qual jogo está em qual pacote aqui ou na página Steam de cada jogo.

Esse keyblade exclusivo do Steam parece muito doentio.
Imagem: Square Enix

Há também o fato de que esses jogos serão lançados uma semana antes do Summer Game Fest, com Geoff Keighley postando sobre o jogo, possivelmente sugerindo Corações do Reino IV pode fazer uma aparição. Colocar uma nova safra de jogadores na série antes de compartilhar mais informações sobre a próxima entrada parece uma ideia perspicaz.

É extremamente hilário que, embora este trailer do Steam liste os jogos em ordem cronológica, os jogos em si não sejam agrupados dessa forma. Se você quiser jogar do jeito que o trailer mostra tudo, você terá que começar assistindo (porque é um filme, não um jogo) Contracapa sobre Corações do Reino HD 2.8, então pule para Kingdom Hearts HD 1.5 jogar Nascimento por sono antes de voltar para KH2.8 jogar Nascimento pelo Sono – Uma Passagem Fragmentária. Simples, certo?

Falando em simples, a nova versão de “Simple and Clean” de Hikaru Utada me levou às lágrimas. Eu era um daqueles adolescentes que não era o maior fã da Disney, mas gostava de pop japonês, visual kei (pense em uma versão japonesa do glam metal) e rock japonês. Ouvir aquela nova versão de uma música tão querida me fez sentir com 16 e 36 anos, mas no bom sentido. Essa coisa que amei, que inspirou os tipos de emoções que me levaram ao trabalho hoje, cresceu comigo, mas não tanto a ponto de ser irreconhecível para o meu eu mais jovem. E quando eu voltar e jogar esses jogos simples e limpos – alguns deles novamente e outros pela primeira vez – espero poder enfrentar meus medos de decepções anteriores e me lembrar do santuário que tanto amei.

theverge