NLRB: Os comentários antissindicais do CEO da Amazon violaram as leis trabalhistas

O CEO da Amazon, Andy Jassy, ​​violou as leis trabalhistas ao fazer “declarações coercitivas” sobre os sindicatos durante entrevistas realizadas em 2022, decidiu um juiz do Conselho Nacional de Relações Trabalhistas na quarta-feira.

“O que dizemos aos nossos funcionários em nossos centros de distribuição é que achamos que eles estariam melhor sem um sindicato por alguns motivos”, disse Jassy no DealBook Summit. “Uma delas é que tentamos contratar pessoas que capacitamos. Se elas encontrarem maneiras de melhorar a experiência dos clientes ou de seus colegas de equipe, elas podem simplesmente consertar o problema. Você sabe, eles não precisam passar por um sindicato. Não é burocrático, não é lento.”

Um juiz do NLRB disse que as declarações de Jassy “ameaçavam funcionários”

Na decisão, o juiz do NLRB, Brian Gee, disse que as declarações de Jassy “ameaçavam os funcionários”, o que implica que “se escolhessem um sindicato, ficariam menos capacitados e teriam mais dificuldade em fazer as coisas rapidamente”. O juiz Gee recomenda que a Amazon pare e desista de fazer declarações ameaçadoras sobre os sindicatos. Ele também recomenda que a Amazon coloque um aviso em suas instalações lembrando aos trabalhadores seus direitos.

“Discordamos veementemente que qualquer parte desses comentários seja inadequada e pretendemos apelar”, disse a porta-voz da Amazon, Mary Kate Paradis, em comunicado enviado por e-mail para A beira. “A decisão reflecte negativamente o estado actual dos direitos de liberdade de expressão e continuamos optimistas de que seremos capazes de continuar a envolver-nos numa discussão razoável sobre estas questões, onde todas as perspectivas terão a oportunidade de ser ouvidas.”

theverge