Por que as piores receitas imagináveis ​​estão explodindo no TikTok

Eli Betchik sempre teve um estômago de aço, mas foi só quando eles foram para a escola de arte que perceberam que isso poderia torná-los famosos.

“Eu estava perfeitamente disposto a comer coisas aleatórias para o entretenimento de meus amigos. Eu pegava um pacote de ketchup da lanchonete e chupava ou comia um pedaço inteiro de queijo parmesão”, lembra Betchik, agora com 23 anos, que fabrica e vende joias em seu porão em Ohio. “Quanto mais eu fazia isso, mais eu percebia que poderia fazer isso na internet. Achei que seria capaz de entreter as pessoas.”

Em novembro de 2020, o joalheiro não-binário estava na escola de arte em Cleveland, onde fez amizade com um grupo de artistas performáticos. Logo, as apresentações gastronômicas de Betchik se tornaram seu próprio tipo de arte – principalmente quando começaram a atuar no TikTok.

“Sou muito comparado a um acidente de carro ou a um desastre de trem, onde as pessoas não conseguem desviar o olhar.”

Suas primeiras postagens – coisas como maionese frita, macarrão cozido em leite com chocolate ou sopa à base de biscoito e leite aquecida no microondas, tudo consumido na câmera – foram enviados para um pequeno círculo de amigos. Um mês depois, clipes de Betchik comendo mortadela coberta com calda à base de Jolly Rancher e chocolate quente instantâneo feito em água de cachorro-quente começaram a receber milhares de visualizações de pessoas fora de seu círculo social. Eles marcaram seu primeiro vídeo verdadeiramente viral em 2021 depois de criarem “purê de batata com queijo” do Lay’s batatas fritas cozidas em água e vinagre de vinho de arroz. O clipe foi assistido mais de um milhão de vezes, gerando uma série de imitadores e cobertura da imprensa que variaram de bajuladores a horrorizados.

Betchik, ao que parecia, estava tramando algo. As pessoas ficaram horrorizadas, mas cativadas. Quanto mais indignação eles causavam, mais seus seguidores cresciam. A conta deles, @elis_kitchen – que carrega o slogan oficial “o chef mais malvado do TikTok” – atraiu mais de 100.000 seguidores desde o lançamento.

“É muito desgosto, realmente – fascínio de nojo”, diz Betchik. “Eu sou muito comparado a um acidente de carro ou trem, onde as pessoas não conseguem desviar o olhar, o que eu gosto muito de ouvir.”

Nos comentários, a dúvida mais comum é se o Betchik está fazendo tudo isso só para chamar a atenção. “Eu sou,” Betchik confirma. “Procuro tirar um tempo do meu dia para responder [to the commenters] e dizer: ‘Sim. Sim eu estou.'”

Betchik é um dos principais chefs de isca de raiva do TikTok: influenciadores que fazem vídeos de receitas horríveis e muitas vezes nojentas, que consomem na frente de uma câmera. A maioria dos criadores no espaço afirma ser movida pela curiosidade e não pela fama, mas sua confiança na indignação para alimentar sua presença online é inegável. No TikTok e em outras plataformas, os algoritmos favorecem o engajamento – e nada inspira engajamento de forma tão confiável quanto o desgosto.

Como uma versão de pesadelo da Food Network, o gênero de chef de isca de raiva é distinto e diversificado. Alguns membros – como @joshandlisa, que produziu o vídeo de macarrão com queijo na bancada, e @mchausfun, o TikToker que fez uma massa recheada com banana com uma ferramenta semelhante a um cateter – são claramente canais de pegadinhas e se rotulam como sátira em plataformas externas do TikTok. Outros, como Sylvia Ferreira e The Shaba Kitchen (que trouxeram pirulitos de frango assustadores e espaguete de cream cheese com morango e chocolate para o TikTok) parecem estar se esforçando ao máximo para fazer comida inovadora, mesmo que os resultados possam ser alarmantes. Existem, é claro, teorias da conspiração: um TikToker recentemente se tornou viral com alegações de que criadores como Ferreira estão secretamente fazendo conteúdo fetichista, apoiado por um clipe de Ferreria cozinhando um peito de frango em forma de vagina. (Ferreira e A Cozinha Shaba não respondeu a The Verge’s pedidos de entrevista.)

Alguns membros do nicho insistem que suas intenções culinárias são puras. “Na internet, você começa a ver todos esses canais e receitas malucas de culinária e pensa: como seria fazer isso? Então, eu estava realmente interessado em experimentá-los e ver por mim mesmo ”, explica Jane Brain, uma trabalhadora de tecnologia de 27 anos e chef raivosa de Ontário, Canadá, com mais de 200.000 seguidores em sua conta TikTok, @myjanebrain. (o cérebro perguntou The Verge para reter seu sobrenome real por motivos de privacidade.)

Os vídeos mais virais do cérebro incluem lasanha de macarrão instantâneo e um frango assado em uma abóbora, que foi descrito como “Salmonella de Halloween” pelo chef e TikToker Gordon Ramsay. Os espectadores costumam ficar chocados ao ver que Brain mostra suas criações no final de cada clipe. “Gosto sempre de dar [the recipes] uma tentativa ”, continua Brain, que filma e estrela a maioria de seus TikToks com sua parceira criativa e melhor amiga, Emma. “Eu acho que é justo julgar por mim mesmo.”

Outros afirmam que procuram propositadamente receitas terríveis em um esforço para desafiar a si mesmos e ver se sua experiência culinária pode melhorar o produto final. Liz e seu parceiro de 30 anos, Zach – que também perguntou The Verge omitir seus sobrenomes por motivos de privacidade – ter mais de 50.000 seguidores em sua conta conjunta, @packagedfoodgourment; seus vídeos mais virais incluíram suas tentativas de recriar o macarrão com queijo com pior classificação no Yummly e a rabanada com pior classificação no AllRecipies.com.

“Alguns [the recipes] são muito polarizadores ”, diz Liz, que observou que muitas das receitas com pior classificação on-line têm uma mistura de críticas de uma e cinco estrelas. “Eu meio que pensei: ‘Onde está a verdade? O que está acontecendo aqui?’ Eu queria ver se eles eram realmente tão ruins.”

De acordo com especialistas, criar conteúdo que causa indignação nos espectadores faz sentido em uma economia baseada na atenção. “Quando estamos percorrendo as postagens de mídia social, acho que há algo sobre negatividade e dor que pode capturar melhor nossa atenção”, explica Steve Rathje, pesquisador de pós-doutorado em psicologia na Universidade de Nova York que se concentra em mídia social, polarização política e desinformação. Ele já publicou trabalhos sobre a maneira como emoções fortes, como indignação e ódio, preveem e impulsionam a viralidade das postagens nas redes sociais.

“A mídia social pode estar criando incentivos perversos para a criação de conteúdo polarizador”, acrescentou Rathje, “porque esse é o tipo de conteúdo que chama a atenção online”.

Capturar a atenção de forma consistente ao longo do tempo não é fácil, no entanto, e a arte de manter os espectadores envolvidos com cada receita pode envolver um trabalho longo e árduo. Betchik passou cinco horas enfiando passas em fios de espaguete cru ou até dias congelando folhas de espaguete.

Eles sentem que descobriram a receita para o sucesso viral: arruinar as receitas que os espectadores mais amam. “Usar alimentos que as pessoas talvez associassem à sua infância e realmente bastardizá-los – as pessoas ficarão muito chateadas com isso”, explica Betchik. Os SpaghettiOs congelados, por exemplo, foram usados ​​como “pão” em uma versão do sanduíche PB&J em que a geleia foi trocada por maionese. O vídeo que Betchik fez foi visto mais de dois milhões de vezes. “Tento não fazer coisas que não gostaria de comer”, acrescenta Betchik, que come cerca de 60% de suas criações e tenta compostar ou reutilizar o restante. “Mas às vezes eu cruzo essa linha.”

Brain também se opõe ao desperdício de comida – ela costuma levar suas receitas de sucesso para amigos e familiares, que agora aguardam ansiosamente suas gravações de vídeo – embora não seja uma tarefa fácil evitá-lo. “Houve algumas receitas com as quais eu definitivamente lutei”, diz ela. Em alguns vídeos, como seu clipe de frango com abóbora amplamente ridicularizado ou sua quesadilla de uma panela, as expressões de Brain parecem tensas quando ela prova a comida. “Acho que os espectadores podem ver a expressão no meu rosto quando levo o garfo à boca.”

Esses momentos parecem trazer grande alegria aos seguidores da isca de raiva. Eles deixam comentários expressando sua alegria sobre a comida desastrosa, marcam amigos e outros influenciadores ou repreendem e zombam dos próprios influenciadores. Zach e Liz listaram tudo, desde o sotaque canadense até a aparência, como motivos pelos quais seus espectadores ficaram indignados. Suas seções de comentários são inundadas com vitríolo sobre tudo, desde a hegemonia cultural da panqueca americana até críticas de suas escolhas na cozinha. “A ideia é testar a receita como ela é”, diz Zach, que muitas vezes fica frustrado com esses ataques. “Então eles estão meio que perdendo o objetivo do vídeo.”

Os chefs até deram lugar a uma economia alimentar horrível no TikTok, em que outros influenciadores costuram os vídeos de chefs de isca de raiva para atrair visualizações próprias. Os vídeos de Betchik foram costurados por TikTokers como @sashaandnate, @ethagoat._ e @chubby_hoochie – criadores que construíram muitos seguidores ao reagir a vídeos chocantes, incluindo os de chefs de isca de raiva. “Essas pessoas precisam de alguém para reagir”, dizem eles.

Especialistas como Rathje, no entanto, não estão convencidos de que a mudança culinária do TikTok seja uma coisa boa. “As pessoas param e prestam atenção ao conteúdo negativo porque é como parar para assistir a um acidente de carro – você não consegue desviar o olhar”, acrescentou. “Isso pode ser bom para os influenciadores aprenderem, mas acho que é um pouco ruim para o mundo.”

Betchick, por sua vez, não acha que o conteúdo baseado em ódio seja negativo, desde que seu foco esteja em algo como comida. “Acho que as pessoas que estão simplesmente vendo meus vídeos conseguem encontrar alegria na quantidade de ódio que sentem”, dizem eles. “Eu também posso fornecer esse serviço para eles.”

É um sentimento que Brain pode deixar para trás. Embora ela não se veja como uma chef furiosa – ela afirma que suas tentativas de cozinhar são sérias – ela viu em primeira mão quanto conteúdo pode ser produzido a partir de uma única receita questionável. Aproveitar a tendência de ganho financeiro, aos olhos dela, é uma jogada inteligente – desde que aqueles que ousam cozinhar mal estejam preparados para os comentários odiosos.

“Se seu objetivo é estritamente ganhar o máximo de dinheiro possível – e se o ódio e a raiva são a maneira de fazer isso – então posso ver totalmente por que faz sentido”, diz Brain. “Cada um na sua com aquele.”

https://linkmycontent.com/wp-content/uploads/situs-judi-slot-gacor-gampang-menang/

https://threeguru.com/wp-content/uploads/situs-slot-gacor-gampang-menang/

https://www.padslakecounty.org/wp-content/uploads/rekomendasi-situs-slot-gacor-gampang-menang/

https://sandpointmedspa.com/wp-content/uploads/bocoran-situs-slot-gacor-gampang-menang/

https://ihmcathedral.com/wp-includes/daftar-situs-slot-gacor-gampang-menang/

https://irisprojects.com/daftar-judi-slot-online-jackpot-terbesar/

www.techeasypay.com/slot-gacor-online-gampang-menang

https://www.clinicavalparaiso.cl/kumpulan-situs-slot-gacor-terbaik-gampang-menang-resmi/

https://www.forumartcentre.com/wp-includes/slot-gacor/

https://lawschoolsecretstosuccess.com/wp-includes/slot-gacor/

https://threeguru.com/wp-includes/link-situs-slot-gacor/