Vigilância de Bihus.Info – SBU divulgou comentário oficial



O Serviço de Segurança da Ucrânia afirmou que está investigando as circunstâncias de escutas telefônicas ilegais e gravação de vídeo de membros da equipe do projeto Bihus.Info.

“Sobre este fato, foi instaurado processo criminal nos termos do art. 359 do Código Penal da Ucrânia (aquisição, venda ou utilização ilegal de meios técnicos especiais de obtenção de informação)”, afirma o comentário oficial do departamento.

A SBU afirma que o trabalho transparente e desimpedido da mídia independente e profissional é uma condição importante para o desenvolvimento da Ucrânia como um estado democrático, portanto “tais fatos de vigilância devem receber uma avaliação jurídica, independentemente de serem ou não fatos de possível violação da lei relativa à circulação de substâncias estupefacientes.”

“Isso só pode ser avaliado pelas agências de aplicação da lei de acordo com sua jurisdição”, acrescentou o departamento.

Na véspera, o canal do YouTube “Narodnaya Pravda”, que anteriormente não havia coletado um número significativo de visualizações, publicou um vídeo que supostamente registrava o uso de diversas drogas por funcionários da Bihus.Info em uma festa corporativa de Ano Novo. Na descrição do vídeo escreveram que “os jornalistas do projeto” estão “energizados” antes de novas investigações”.

O editor do projeto Bihus.Info, Maxim Opanasenko, disse que os membros da equipe envolvida no jornalismo investigativo anticorrupção foram monitorados por pelo menos vários meses, e também foram realizadas escutas telefônicas. Observou que não se deve excluir, entre outras coisas, a possibilidade de tentar pressionar os trabalhadores devido a tal perseguição.

Mais tarde, o chefe da Bihus.Info Denis Bigus disse que desconhecido foram monitorados sistematicamente por cerca de um ano para membros da equipe do projeto. Segundo ele, parece que não foram encontradas provas incriminatórias relacionadas com a actividade profissional, pelo que os organizadores da perseguição recorreram a assuntos pessoais. Assim, a viagem de réveillon dos representantes da equipe tornou-se uma “operação especial” com filmagens secretas e escutas telefônicas. Ele não descartou que o dinheiro para esta atividade pudesse ter sido canalizado através de impostos ucranianos.

Denis Bigus garantiu que os jornalistas não utilizaram substâncias proibidas no vídeo, conforme referido, e os cinegrafistas não utilizaram as filmagens. Ao mesmo tempo, ele prometeu duras mudanças de pessoal na Bihus.Info. Segundo o próprio vídeo, os trabalhadores expostos parecem já ter sido demitidos.



Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *